Tempo de Leitura: 2 minutos

O Marketing de Conteúdo, tal como o nome indica, engloba a criação e a partilha de conteúdo nas redes, ou seja, na partilha de materiais online, seja na forma de imagem, vídeo, blogs ou ebooks. Tem como objetivo gerar interesse e com isto captar a atenção do público para a empresa, aumentando assim o público atingido e, associado a isto conseguir atingir uma maior probabilidade do aumento das vendas.

“O bom conteúdo é a melhor ferramenta de vendas do mundo.”

Marcus Sheridan

O Marketing de Conteúdo funciona com base em quatro propósitos:

  • Entreter;
  • Inspirar;
  • Educar;
  • Convencer.

Assim, quanto melhor se conhecer o público que a empresa deve atingir, quais as suas dúvidas e o que lhe interessa, mais facilmente é conseguida a interação a nível pessoal. Existindo a possibilidade de personalizá-la para cada um dos segmentos do público-alvo anteriormente definidos. Assim, devem responder-se às questões do público, dar valor e credibilidade, transmitir confiança, manter o interesse e captar a sua atenção.

Tal como no SEO e no SEM (explicados no último artigo), deve ser criado um plano da divulgação do conteúdo em que seja possível diferenciar os diversos canais:

  • Owned: Os canais com um custo mais baixo, mas que são flexíveis;
  • Earned: Os canais que adicionam credibilidade à empresa;
  • Paid: Os canais com audiências específicas que são pagos para efetuar publicidade.

É ainda necessário obter vários tipos de informação sobre o público-alvo da empresa:

  • O que é que pesquisam;
  • Qual o seu comportamento nas diferentes redes;
  • Os dados demográficos;
  • O que é que lhes mais interessa e o que é que eles não querem ouvir falar da nossa empresa, ou seja, qual o conteúdo que mais lhe irá acrescentar valor.

Por outro lado, os blogs são, normalmente, uma secção à parte no website de uma empresa que contempla conteúdo mais específico em que podem participar pessoas externas à empresa. Os artigos que constituem um blog devem ser cativantes e interessantes de forma a cativar o público e a este querer ler cada vez mais os artigos publicados ao longo do tempo.

Existem três tipos:

  • Infográficos: Permitem apresentar informação de forma visual;
  • Ebooks: Permitem divulgar conteúdos práticos de forma que a sua leitura seja mais simples;
  • Vídeos: Permitem incluir a demonstração de produtos, feedbacks ou testemunhos de clientes, tutoriais, etc, sendo um conteúdo mais apelativo e que acaba por ser muito útil e a empresa pode até obter muito mais engagement.

Desta forma, torna-se necessário a análise constante de diversas métricas e parâmetros para se perceber se existe alguma melhoria que pode ser feita. Assim, pode medir-se através do Google Analytics os seguintes parâmetros:

  • Número de visualizações do website no computador e em dispositivos móveis;
  • Número de transações efetuadas;
  • Número de visitantes que acedem ao website através das redes sociais;
  • Número de visitantes que descarregam o ebook;
  • Número de visualizações do blog e dos artigos que o constituem;
  • Taxa de rejeição. 

A partir destas métricas e desta análise é possível aferir se o marketing de conteúdo está a ser utilizado de forma correta e se é exatamente esse o conteúdo que interessa ao público. Caso isto não se verifique é extremamente necessário mudar a estratégia da empresa, que passa não só por melhorar o conteúdo mas também por verificar se o público alvo está bem definido.

“Conteúdo constrói relacionamentos. Relacionamentos são baseados em confiança. Confiança gera receita.”

Andrew Davis

 O marketing de conteúdo é a melhor forma de promover a empresa. O conteúdo útil deve estar no centro do marketing.